DESONERAÇÃO SOBRE FOLHA DE PAGAMENTO: Adesão Facultativa e Alterações de Alíquotas

DESONERAÇÃO SOBRE FOLHA DE PAGAMENTO: Adesão Facultativa e Alterações de Alíquotas

Foi publicada no Diário Oficial da União do dia 27 de fevereiro de 2015, a Medida Provisória nº 669/2015, que, dentre outros assuntos, torna desoneração da folha de pagamentofacultativa a adesão ao programa de desoneração da folha de pagamento, bem como altera as alíquotas de recolhimento.
Com as alterações trazidas, a empresa, ao optar pelo programa da desoneração da folha de pagamento, passa a substituir a contribuição previdenciária patronal pela alíquota de 4,5% (empresas enquadradas no artigo 7º da Lei nº 12.546/11) ou 2,5% (empresas enquadradas no artigo 8º da Lei nº 12.546/11) sobre o valor da receita bruta, excluídas as vendas canceladas e os descontos incondicionais concedidos. Atualmente, tais alíquotas são de, respectivamente, 2% e 1%.
Esta opção de tributação deverá ser manifestada mediante o pagamento da CPRB (Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta) relativa a janeiro de cada ano, e será irretratável para todo o ano-calendário. Para o ano de 2015, a opção será manifestada mediante recolhimento da CPRB relativa a junho deste ano.
Para as empresas do setor de construção civil, enquadradas nos grupos 412, 432, 433 e 439 da CNAE 2.0, a opção deverá ser feita em relação a cada obra, sendo manifestada através do pagamento da CPRB relativa à competência de cadastro no CEI ou à primeira competência subsequente que tenha receita bruta apurada para a obra, e será irretratável até o seu encerramento.
Algumas obras permanecem com o recolhimento de 2% até o seu encerramento, conforme artigo 2º da MP nº 669/2015.
As alterações trazidas sobre a desoneração da folha de pagamento entram em vigor a partir de primeiro de junho de 2015.

Fonte: Econet Editora Empresarial Ltda